Tecnologia

As actividades principais da Sea4Us consistem na geração de uma biblioteca de compostos, descoberta de fármacos e desenvolvimento pré-clínico. A nossa biblioteca de compostos tem origem em organismos marinhos únicos que são importantes fontes de moduladores de canais iónicos. Estes compostos são testados contra uma série de alvos moleculares tais como os canais NaV, KV, CaV e TRP. Esta triagem experimental é complementada por análises computacionais in silico, que direcciona o desenvolvimento de moléculas inovadoras.

Devido à sua natureza, a Plataforma de Descoberta e Desenvolvimento de Medicamentos da Sea4Us permite a descoberta de novos fármacos para o tratamento de diversas condições clínicas ainda sem soluções terapêuticas. Assim, pode ser utilizada para identificar novos moduladores da actividade de canais iónicos envolvidos em diferentes patologias, tais como dor crónica, epilepsia, diabetes, arritmia cardíaca, hipertensão, e doenças de pele, entre outras.

 

Inspiração Marinha

Os ecossistemas marinhos constituem mais de 70% da superfície do planeta e são um recurso contínuo de inúmeras entidades químicas e suas actividades biológicas. Muitos organismos vivos marinhos, tais como esponjas, anémonas, corais ou briozoários, têm corpo mole e/ou são sésseis. Na ausência de espinhos ou conchas fortes, o desenvolvimento de compostos químicos que conferem vantagens ecológicas para os organismos que os contêm é muito comum. De facto, milhões de anos de evolução desses animais marinhos resultaram em soluções altamente especializadas e engenhosas para a defesa contra predadores, que incluem compostos que têm demonstrado uma ampla gama de propriedades biológicas e farmacológicas, levando a novos candidatos de potenciais fármacos.

À medida que mais compostos marinhos são purificados e testados quanto aos seus efeitos nos canais iónicos, mais aplicações médicas serão inevitavelmente descobertas. Aqui está a inspiração da Sea4Us e o seu enorme potencial para a descoberta de novos compostos terapêuticos.

 

Moduladores de Canais Iónicos

A dinâmica de iões (como sódio, potássio, cálcio, magnésio e cloreto) na corrente sanguínea, dentro das células do nosso corpo e noutros fluidos, é extremamente importante para manter as nossas funções fisiológicas vitais.

Resumidamente, o movimento (entrada ou saída) de iões através das membranas celulares ocorre através de poros criados por canais iónicos. Este movimento iónico é fortemente regulado pela concentração de iões, pelo potencial de membrana celular, por factores celulares, ou por fármacos. Consequentemente, os canais iónicos desempenham um papel crítico numa grande variedade de processos no corpo humano, incluindo na manutenção do equilíbrio de fluidos, na transdução de sinal dentro de, e entre, células (por exemplo, células do sistema imunitário) e na geração e propagação de sinais eléctricos ao longo de nervos, coração e outros órgãos. Os canais iónicos representam, assim, alvos terapêuticos importantes para uma ampla gama de condições clínicas ainda sem solução, e já existem vários fármacos no mercado que funcionam através da modulação de canais iónicos específicos. Existe, por conseguinte, uma enorme procura de activadores e inibidores (isto é, moduladores de actividade) de canais iónicos específicos que são elementos-chave em certas doenças ou síndromes.

Dor Crónica

A Sea4Us está, actualmente, a desenvolver uma nova terapia para a dor crónica baseada na supressão da hiperexcitabilidade da via de sinalização da dor, através da modulação da actividade de canais iónicos chave localizados nos neurónios dos gânglios da raiz dorsal, o "interruptor" da entrada de dor para o cérebro.

A dor crónica é uma síndrome, causada por diversas patologias (diabetes, cancro, artrite, fibromialgia, etc.), que afecta 1,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo (21% da população mundial). As suas consequências são profundas a nível físico, psicológico, social e económico, em particular porque não há tratamento adequado para os casos mais graves, causando um enorme impacto negativo na sociedade. Em Portugal, por exemplo, o peso dos custos directos (custos de cuidados de saúde) e indirectos (absentismo no local de trabalho e baixa produtividade) na economia, relacionados com a dor crónica, representam cerca de 3% do produto interno bruto (PIB).

O novo analgésico que está a ser desenvolvido pela Sea4Us será direccionado para a dor crónica (moderada a severa) que actualmente não tem tratamento adequado. Este analgésico possui potencial para ser um grande avanço na gestão da dor devido ao seu novo modo de acção, especificidade do alvo, eficácia e previsível ausência de efeitos nocivos, melhorando, assim, a qualidade de vida dos pacientes.